Salmão: O peixe para as crianças

3383
Salmão
Salmão

Para além do sabor e da textura, oferece Ómega 3, proteínas e vitaminas necessárias.

O consumo regular de alimentos ricos em ómega 3, em especial os peixes gordos de origem marinha, como é o caso do salmão, melhoram a capacidade de aprendizagem das crianças, revelando efeitos positivos sobre as funções cerebrais associadas à memória dos mais novos. Mas há outros benefícios a ter em conta:

Potencia a memória e o desenvolvimento cognitivo – O consumo regular de alimentos fornecedores de ómega 3 aumenta o número de glóbulos vermelhos do sangue, o que influencia de forma positiva os níveis de atenção das crianças, facilitando desta forma o seu desenvolvimento intelectual

Melhora a capacidade visual – Sendo o DHA um dos componentes estruturais da retina, a membrana do olho responsável pela formação das imagens, o consumo adequado deste ácido gordo, favorece o desenvolvimento da retina

Previne problemas associados ao deficit de atenção e hiperactividade – Os especialistas contam com inúmeros estudos que demonstram que o distúrbio comportamental e os problemas de aprendizagem estão associados a uma deficiente ingestão de ómega 3. Esta deficiência parece ter maior impacto no sexo masculino, porque as suas necessidades de ácidos gordos essenciais são, em geral, muito superiores

Uma vez que o nosso organismo não consegue sintetizar quantidades suficientes de ácidos gordos EPA e DHA, mais conhecidos por ómega 3, a alimentação constitui a melhor forma de obter esta gordura essencial. Por isso o aumento do consumo peixe gordo, como é o caso do salmão, é tão importante para as crianças

“Não gosto!”… “Não quero!”… Este é um dilema diário de muitos pais. O truque está em variar, não desistir e encontrar soluções, sem espinhas! Apesar das manhas à mesa, lembre-se que as recomendações sugerem o consumo mínimo de duas vezes por semana de peixe gordo de origem marinha, o que corresponde à ingestão de 45 mg/dia de EPA + DHA. Na hora de pensar no que vai fazer para o jantar, pode sempre recorrer a soluções já preparadas – peixe ao natural, panado – nutricionalmente correctas e seguras, que lhe permitem cumprir o desafio e criar novos e saborosos pratos, como por exemplo, uma salada russa ou massa cotovelo com legumes com duas ou três tiras de salmão panadas.

Por mais que o seu filho lhe diga que não gosta de peixe, lembre-se: O seu exemplo é essencial! Os pais que não apreciam peixe têm também alguma dificuldade em convencer os mais pequenos a experimentar. As crianças precisam de tempo para se habituar às novas texturas e sabores do peixe. Por isso, ofereça-lhes peixe e nunca desista, aproveite as soluções sem espinhas para que eles não tenham razão para resistir.

ONDE PODEMOS ENCONTRAR O ÓMEGA 3:

NOME DO PEIXE

ÁCIDOS GORDOS –

POLINSATURADOS (g)*

Salmão (grelhado)

7,3

Atum (conservado em óleo)

7,1

Sardinha gorda (grelhada)

4,5

Pescada (frita)

4,4

Cavala (cozida)

4,3

Dourada (cozida)

4,1

Linguado (frito)

4,0

Robalo (grelhado)

3,5

Bacalhau seco e salgado, demolhado (assado no forno)

0,5

 
 *A gordura polinsaturada é maioritariamente representada por ácidos gordos da família do ómega 3
Fonte: Tabela de Composição de Alimentos, Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]