Será falta de memória ou um ligeiro esquecimento

2985
Será falta de memória ou um ligeiro esquecimento
Será falta de memória ou um ligeiro esquecimento
- pub -

“Olá, então não te lembras de mim?”. Você bem puxa pela cabeça para saber quem se dirige a si desta forma mas por mais que se esforce não consegue. É este um sintoma de falta de memória ou apenas um ligeiro esquecimento?

Não se lembrar onde colocou os óculos depois do programa de televisão da noite anterior ou o nome dos três primos que vivem no Canadá, não significa que esteja a perder a memória embora este tipo de esquecimentos se tornem mais habituais com a idade.

O cérebro é o armário onde as recordações e informações são guardadas, e de cada vez que precisamos de algo é ao lóbulo frontal que cabe a função de as recuperar. No entanto, este é um instrumento frágil que se desgasta quer pela fadiga, alterações hormonais ou até o sempre presente desgaste celular. Isto não quer dizer que todos soframos da doença de Alzeimer, que provoca uma deterioração cognitiva no cérebro.

Outros problemas podem provocar a perda de memória como sejam a arteriosclerose, mini tromboses, doenças da tiróide, o abuso de álcool e de drogas, uso prolongado de antidepressivos, anestésicos e medicamentos para a tensão arterial.

Não se trata de um processo irreversível, porque algum tempo depois da eliminação dos compostos químicos do corpo, a memória é recuperada.

. pub .

E se um corpo perfeito pode albergar uma mente sã, não é menos verdade que também a memória precisa de algum exercício, comparável a algumas horas no ginástico para desenvolver o corpo físico.

- pub -

Como conservar a memória

Existem diversos processos para conservar a memória, o melhor dos quais ainda é aproveitar cada momento da vida e todos os prazeres que esta oferece. Diga lá se alguma vez esqueceu aquelas férias que passou na praia quando era mais nova? Mas o trabalho que fez ontem nem sequer lhe deixou lembranças. Pois isso é a prova que quanto melhor for o tempo que passar e as recordações a ele associadas, melhor vai recordar.

Normalmente é a memória mais recente a que mais é afectada pelo envelhecimento e as pessoas idosas apresentam maiores dificuldades para a aquisição de novas informações.

Dos melhores exercícios para a memória, apresentam-se as associações mentais. Se perdeu os óculos, reconstitua todos os passos desde a última vez que teve a certeza de estar com eles. Para os acontecimentos mais recentes, o mesmo também funciona, associando vários acontecimentos e reconstruindo o que aconteceu.

Como combater a falta de memória

Alguns pequenos truques podem também ajudar a lembrar-se de coisas importantes. Por exemplo, se necessita de tomar um medicamento todos os dias e se deita à mesma hora, coloque a embalagem junto do despertador para que lhe toque quando for ligar o despertador. Se precisa de comprar algo, deixe a embalagem vazia em sítios esquisitos como no lava-louça ou no lavatório da casa de banho. Para se lembrar de números, como o do autocarro, associe-lhe datas ou acontecimentos.

E como na preparação física, também para o cérebro a alimentação é importante, pelo que se devem incluir os ácidos gordos insaturados, ricos em óleos vegetais, as proteínas e certos açúcares que se encontram nos cereais e nas féculas. Claro que as vitaminas são essenciais, principalmente do grupo B.

Como funciona a memória

O funcionamento da memória pode ser dividido em duas fases: a curto prazo, imediata e mais recente, que nos permite responder às solicitações do dia a dia, e a de longo prazo, que mantém aquilo que nos foi acontecendo durante a vida.

O processo de reter uma informação na memória inclui três fases: a primeira é a estimulação sensitiva que funciona através de um estímulo que desperta uma recordação. Na certa já lhe aconteceu passar perto de uma padaria e o cheiro a pão despertar-lhe memórias da sua infância.

A segunda fase é o armazenamento da informação e a sua conservação e a terceira é uma actividade de reconstituição, organizando as memórias em ficheiro, o que permite o acesso fácil às informações armazenadas anteriormente. São estes passos que mais depressa se perdem com o avanço da idade.

E se agora apenas começou a preocupar-se com estes problemas de memória desde a última vez que se esqueceu do lugar onde estacionou o carro no parque do supermercado, lembre-se de que é preciso exercitar a sua memória e que pode começar hoje mesmo.

Perda de memória: saiba porque nos esquecemos das coisas

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]
- pub -