Programa de descentralização Visa Melhorar Vida a Milhares de Doentes

1125

No âmbito do Programa Nacional de Saúde, que estabeleceu como prioridades entre 2004-2010 o combate e a prevenção de algumas doenças dos Portugueses, entre as quais as do foro cardiovascular…

O “Programa de Descentralização” das consultas de monitorização e terapêutica dos doentes anticoagulados (TAO) vai permitir que milhares de utentes das Sub-Regiões de Saúde (SRS) evitem deslocar-se aos hospitais centrais e distritais.

Descentralizar dos hospitais para os centros de saúde as consultas de TAO é o principal objectivo deste Programa, com claros benefícios para os utentes e profissionais de saúde.

PROGRAMA DE DESCENTRALIZAÇÃO EM CURSO

No decorrer deste ano, prevê-se a adesão de novas SRS ao Programa de Descentralização implementado em 2003, ou seja, 60 novos Centros de Saúde poderão passar a prestar assistência a doentes anticoagulados. Espera-se que este Programa de Descentralização possa contribuir para as orientações estratégicas do Plano Nacional de Saúde e ir ao encontro das necessidades em providenciar ao cidadão um atendimento de maior qualidade e em tempo útil, criando mecanismos organizacionais que viabilizem um acesso mais rápido, adequado e eficaz ao tratamento dos doentes anticoagulados.

Actualmente, o Programa de Descentralização conta com a adesão de 5 Sub-Regiões de Saúde (SRS) e 53 Centros de Saúde de Norte a Sul do País. As 5 SRS de Faro, Vila Real, Viana do Castelo, Bragança e Aveiro que já aderiram ao programa alternativo de monitorização de doentes anticoagulados, prestam hoje cuidados de saúde a mais de 15 mil doentes anticoagulados.

A estratégia a breve prazo passará por consolidar estas descentralizações já efectuadas e iniciar o processo em novas SRS, com claras vantagens para todos os intervenientes, dos profissionais de saúde aos doentes.

MELHORES CUIDADOS DE SAÚDE VIA DESCENTRALIZAÇÃO

Nas SRS já abrangidas pelo Programa, mais de 15.000 doentes anticoagulados que necessitam de se deslocar no mínimo uma vez por mês ao hospital, viram a sua qualidade de vida e assistencial melhorada, através da transferência das consultas de controlo da sua terapêutica (TAO) para o Centro de Saúde, evitando-se grandes deslocações e tempos de espera que podem demorar um dia.

Com o intuito de inovar e melhorar a abordagem médica, assim como tornar os cuidados de saúde mais próximos da população, as 5 SRS iniciaram o Programa de Descentralização destas consultas com a colocação de coagulómetros portáteis, o Coaguchek,nos Centros de Saúde, em articulação com os hospitais de referência.

SIMPLES, RÁPIDO E PRECISO

O Coaguchek permite, com uma simples picada no dedo e com a mesma segurança da análise hospitalar, obter o resultado do INR ( o índice que indica a velocidadede coagulação do sangue) após um minuto, essencial para o ajuste da terapêutica de cada doente.

As vantagens são óbvias para todos os intervenientes: maior rapidez do processo, descongestionamento das consultas hospitalares, preservação do sistema venoso e redução dos custos de deslocação de doentes em ambulâncias ou outros transportes, ou seja, as pessoas são atendidas de uma forma mais rápida, mais eficiente e mais humanizada.

A TERAPÊUTICA ANTICOAGULANTE ORAL (TAO)

Em Portugal estima-se que existam actualmente mais de 100 mil doentes em Anticoagulação Oral, estando este número a crescer a um ritmo de 15% ao ano, estimando-se mais de 250 mil doentes em 2010. Quatro em cada cinco destes doentes, na sua grande maioria idosos, tem indicação para fazer TAO toda vida.

Esta terapêutica é instituída para prevenção de tromboses em doentes com Fibrilhação Auricular, Válvulas Cardíacas Artificiais, Após AVC isquémico ou Enfarte do Miocárdio, Trombose Venosa Profunda, entre outros.

 

Estes pacientes necessitam de tomar um anticoagulante oral (Varfine ou Sintrom) diariamente em doses variáveis de pessoa para pessoa, para que o seu nível de anticoagulação do sangue se mantenha em valores óptimos, ou seja, prevenindo as tromboses sem correrem riscos de hemorragias. Esta medição é feita através do valor do TP (Tempo de Protrombina) ou INR (International Normalized Ratio).

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]