Corrida Contra o Tempo

1226

Olhar o rosto no espelho, prepará-lo para o dia ou para a noite e de repente: uma ruga!!

No início da história do ser humano não havia a preocupação estética no envelhecimento, pois a vida média do homem era muito pouca.

Este é o resultado do envelhecimento por que todos os seres humanos passam. No entanto, o horror à ruga que se vislumbra no rosto tem sido uma preocupação de milhares de pessoas ao longo dos séculos.

No tempo dos nossos antepassados mais remotos não havia a preocupação estética do envelhecimento, uma vez que a vida média do homem era mais baixa e havia outras coisas em que se preocuparem como a sobrevivência e a sua fragilidade às doenças.

À medida que os tempos foram avançando e as pessoas deixaram de ter de se preocupar com a sua sobrevivência, iniciou-se o grande desafio contra a morte. Em causa estava o aumento da longevidade e o melhor aspecto físico possível.

Em toda a história existem relatos sobre o uso de banhos, ervas e até mesmo sacrifícios rituais para manter a beleza do corpo. A rainha Cleópatra tomava banhos de leite de burra para manter a pele sempre jovem , bela e suave. Entre os egípcios era também comum o uso de tintas para o cabelo, maquilhagem no rosto e até o recurso à cirurgia plástica para corrigir defeitos. O mito da juventude era tal que todos os corpos de faraós e nobres foram preparados com cuidado afim de chegarem à vida celeste perfeitos, o que demonstra uma enorme preocupação pela estética do indivíduo.

Durante a Idade Média os relatos são de filtros, poções mágicas e diversos expedientes para manter a beleza física mesmo com o envelhecimento cronológico. Surgem os alquimistas em busca da imortalidade, do ser humano perfeito, eterno e sempre jovem.

Lembremo-nos ainda Ponce de León que enlouqueceu na sua busca pela fonte da juventude.

Com as evoluções da medicina nas últimas décadas, os estudos genéticos, bioquímicos e a biologia molecular, a vida média do ser humano teve um aumento significativo mas mesmo assim ainda temos barreiras a ultrapassar. Apesar das boas notícias, as pessoas continuam a busca de corpo, a pele e cabelos perfeitos no corpo cronológico que não é aquele que possuem.

Podemos entender envelhecimento como as modificações físicas, fisiológicas e psicológicas que resultam da acção do tempo sobre os seres vivos. A velhice seria a culminação de um processo que se inicia com a concepção. Esta está definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como tendo início na idade de 60 anos.

São variados os factores que contribuem para o envelhecimento entre os quais se encontram a herança genética, raça, sexo, condições ambientais e circunstâncias inerentes ao estilo de vida.

Os nossos órgãos e tecidos não sofrem o envelhecimento ao mesmo tempo nem com a mesma intensidade. Certos tecidos como a pele e a medula óssea deterioram-se e outros como o fígado e o sistema endócrino mantém-se mais estáveis.

Na corrida contra o tempo no campo da estética são os homens quem ganha a medalha, porque, apesar de morrerem mais cedo que as mulheres, demoram mais a dar sinais de envelhecimento. Contra as mulheres pesam os factores hormonais, especialmente na menopausa.

Os primeiros sinais do envelhecimento começam a surgir por volta dos 40 anos de idade, sendo que no final dos 30 anos se notam as primeiras alterações estéticas no corpo feminino, nomeadamente um aumento de gordura na cintura, mesmo que não se efectue aumento de peso. A obesidade vai estar presente e a pouco e pouco vai destruindo as formas do corpo com estrias e celulite e a inevitável flacidez.

No caso das mulheres fumadoras, a situação piora, porque a vitamina C ingerida pelo organismo, que não a fabrica, é usada para acção anti-oxidante contra o tabaco e sendo canalizada nesse sentido não vai ser usada em áreas do corpo que realmente necessitam, aumentando assim o processo de envelhecimento.

Com o passar dos anos a perda muscular é acentuada, principalmente na região dorsal. As coxas começam a ficar mais finas e o abdómen mais protuberante, mesmo nas magras, por causa da flacidez da musculatura abdominal.

Os poros tornam-se mais dilatados devido à baixa de produção dos estrógenios, a pele torna-se mais seca e frágil e a mucosa vaginal fica ressequida. Os cabelos perdem o brilho e densidade, podendo ocorrer queda.

Claro que pouco ou nada se pode fazer contra este processo, senão encará-lo como mais uma fase da vida. Por outro lado, uma vida saudável, livre de tabaco, álcool e stress, com exercício físico e uma alimentação adequada pode valer-lhe mais uns anos a ser confundida como irmã da sua filha. Vale mesmo a pena mudar de hábitos.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]