Cuidados com o cabelo

2446
Cuidados com o cabelo
Cuidados com o cabelo

Dois dos problemas que mais afectam a Humanidade no que respeita ao cabelo, depois da queda do mesmo, são a caspa e a seborreia.

São três as situações que preocupam grande parte das pessoas no que diz respeito ao tratamento do cabelo:

  • combater a caspa;
  • regular a secreção sebácea
  • evitar a queda do cabelo (principal preocupação nos homens, sim, isto preocupa-os mais do que aquilo que pode estar a pensar).

A caspa, nome comum para a pitiriasis capitis consiste na descamação exagerada e visível do couro cabeludo, por vezes acompanhada de irritação. Frequentemente é confundida com a seborreia e outras situações dermatológicas, clinicamente mais graves e que têm localização particular nesta área.

A descamação excessiva no couro cabeludo dá-se quando acontece a descamação de células imaturas, em forma de escamas e visíveis a olho nu. As causas da caspa são várias e vão das fisiológicas, às traumáticas (orgânicas ou psíquicas) e infecciosas, passando por factores hereditários, hormonais, alérgicos e hábitos alimentares.

Outros factores que também podem proporcionar um meio de cultura para a caspa são os microorganismos causados pela secreção sebácea excessiva, o suor, a falta de higiene e a contaminação do ambiente.

A secreção sebácea é mesmo um dos maiores perigos para o couro cabeludo, uma vez que, quando não é retirada, irá decompor-se e transformar-se em enzimas (fermento), bactérias e fungos, provocando alipólise do sebo, com a formação de ácidos gordos que se oxidam e originam irritação. O couro cabeludo, na sua natural reacção de autodefesa perante a acção irritante, acelera as mitoses do seu revestimento basal, no que resulta o desenvolvimento da caspa.

A descamação do couro cabeludo pode apresentar-se seca, a mais frequente, branca acinzentada e solta, por vezes provocando eritema e prurido do couro cabeludo ou na forma de caspa gordurosa, com escamas grandes, espessas e amareladas, coladas ao cabelo, sobre um couro cabeludo inflamado.

Os shampôs são a forma mais comum de controlar a caspa. Utilizam-se champôs medicinais com ingredientes activos que incluem piritionato de zinco, selénio, ácido salicílico, enxofre, derivados de alcatrão da hulha, óleo de pinho, cedro, zimbro, bétula, e outros extractos vegetais (líquenes, capuchinha, bardana, arnica, cavalinha) e que actuam removendo as escamas e diminuindo a sua formação.

A seborreia é a hiper-secreção das glândulas sebáceas do couro cabeludo, associada frequentemente com a caspa, e que facilita a queda de cabelo. No couro cabeludo normal existe uma grande quantidade de glândulas sebáceas que produzem uma quantidade de secreções consoante as idades pelas quais o ser humano passa.

Quando a quantidade produzida é anormal poderá ficar a dever-se a factores genéticos ou factores adquiridos como desequilíbrios neuro-vegetativos, ou externos, com o uso persistente de produtos desengordurantes, a aplicação de produtos capilares ricos em ácidos gordos livres, proliferação de bactérias e fungos, etc.

O tratamento passa por aplicar loções hidro-alcoolicas e shampôs ou preparações à base de enxofre, sulfureto do selénio, aminoácidos sulfurados, vegetais de agrião, urtiga, alecrim ou hormonas (androgénios e estrogénios).

Apenas o dermatologista pode fazer um diagnóstico correcto do seu cabelo, mas os bons hábitos de higiene, aliados ao uso dos produtos correctos podem ajudar a controlar o problema.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]