Os relacionamentos da modernidade

4357
Os relacionamentos amorosos
Os relacionamentos amorosos

O que leva um homem e uma mulher a unirem-se continua a ser idêntico ao de há uns tempos atrás, mas as directrizes que movem esses relacionamentos alteraram-se um pouco.

A evolução dos relacionamentos

Os relacionamentos dos dias de hoje quase nada têm a ver com os de antigamente, à excepção dos motivos que levam dois seres a unirem-se, quer seja por apenas uma noite, um período ou uma vida.

Houve muitos factores da sociedade que se alteraram visivelmente, e as posições de igualdade ocupadas por homens e mulheres vieram trazer uma nova visão à união entre estes homens e mulheres.

Para que consigamos compreender as mudanças registadas nos relacionamentos é preciso não nos esquecermos dos papéis femininos que as mulheres começaram a ocupar na sociedade.

Conquistou-se uma independência evidente a diversos níveis, e hoje em dia homens e mulheres dividem o mesmo espaço profissional e social. Porém, e se se registaram avanços sociais, importa também não esquecer perdas de valores implícitas à modernidade, como é o caso do romantismo.

Lá longe, no tempo, ficaram pequenas cortesias masculinas, o enviar flores, os jantares à luz de velas, de que as mulheres tanto reclamam a inexistência.

Fazer a corte deixou de existir, para passarmos a assistir a uma nova versão de sedução, o engate, tão comum nas noites perfumadas por álcool e diversão.

Seduzir deixou de ter o mistério de outrora, para passar a ser um acto quase banal, onde tudo, ou quase tudo, já está mais que a descoberto. Perdeu-se o mistério de outra eras!

Antigamente, o papel do homem era no trabalho e o da mulher em casa. Assiste-se a uma mistura de papéis e, em muitas situações, os homens vêm-se confrontados com mulheres extremamente modernas, outras vezes deparam-se com outras agarradas ainda a alguns valores do passado.

Conclusão: os homens nunca sabem como devem reagir para com uma mulher, já que hoje, mais do que nunca, a mulher é uma verdadeira caixinha de surpresas.

Há ainda a ter em conta a questão das novas tecnologias. Homens e mulheres quase já não comunicam pessoalmente.

Os jogos de sedução deixaram de se vislumbrar no cenário do real, para passarem a reinar atrás de monitores de computadores onde um simples clique pode ser determinante para se encontrar uma pessoa interessante.

Dá-se preferência a esse tipo de jogos, do que aos diálogos frontais, cara a cara, em que os interlocutores se observam olhos nos olhos. Descobrir a conquista, a sedução, e todo o processo que leva um homem e uma mulher a envolverem-se é fundamental!

O tempo para namorar, sair, passear, é cada vez menor.

Homens e mulheres vivem absorvidos pelo trabalho, pela ascensão a um cargo profissional elevado, num mundo onde a estabilidade financeira é a prioridade do momento.

A família, o amor e os romances vêm sempre em segundo plano, enquanto que os filhos apenas se inserem num terceiro lugar, contrariando a tendência de outros tempos em que o casamento e a família eram a principal meta existencial a atingir.

Mas, curiosamente, também cada vez mais as pessoas temem envolverem-se amorosamente, pois isso pode implicar um futuro relacionamento mais sério e a perda da liberdade que, durante tanto tempo, lutámos para conquistar. Implícita a essa liberdade vem, obrigatoriamente, o medo da dependência, seja a nível amoroso ou financeiro!

Estipulados que estão os padrões dos relacionamentos hoje em dia é de verificar que se assistiu a uma enorme mudança, muito melhor em determinados sectores, mas pior a outros níveis. É imprescindível que se gozem as liberdades alcançadas, mas mais importante que isso é sabê-las usar da melhor forma e não se tornar numa máquina de fazer dinheiro.

Dê preferência ao toque, ao sentimento, ao contacto pessoal, diálogo, e abdique um pouco do seu sucesso profissional para se dedicar a si mesma, às suas carências.

Porque mais importante do que estarmos bem monetariamente, é amarmos a vida, os outros, e sentirmos que somos correspondidos!

Saia para a vida e descubra-a uma vez mais! Apaixone-se pelo seres humanos e deixe que eles se entreguem também a si.

Aprenda a dialogar, a fazer alguém feliz, a ter uma atitude positiva perante a vida, ao mesmo tempo que começa a encarar as coisas ao seu redor de outra forma. A vida é bela, mas é muito curta! Por isso, acautele-se, porque amanhã pode ser tarde de mais…

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]