Radiofrequência: o Fim da Dor

2170
Radiofrequência: o Fim da Dor
Radiofrequência: o Fim da Dor

Imagine que vive todos os dias com uma dor na coluna junto do pescoço, ou que as dores de cabeça não a largam por mais medicamentos que tome. Milhares de pessoas sofrem desses problemas contra os quais surge uma nova esperança…

Chama-se radiofrequência e trata-se de um tratamento pioneiro para tratar determinados tipos de dores, como as enxaquecas ou as dores ao longo da coluna. A maior parte destes sintomas deve-se a um mau estar da coluna, que não passa com uma simples noite de descanso. Como resultado, a degradação da qualidade de vida e problemas constantes de saúde.

A técnica tem estado a ser aplicada na Casa de Saúde da Boavista, no Porto e já conta com resultados positivos em mais de trezentas pessoas. Através de uma pequena lesão no nervo evita-se que os impulsos sensitivos, que estão na origem da dor, sejam transmitidos ao cérebro. A radiofrequência permite reduzir a sensibilidade em vários pontos do corpo que se encontram em estados muito dolorosos.

A intervenção não necessita de anestesia e depois de localizado o local da dor, são introduzidas pequenas agulhas que realizam uma lesão milimétrica. Em pouco tempo a intervenção fica completa e o paciente pode voltar a casa com a garantia de que não voltará a sofrer do problema.

Este tratamento destina-se a pessoas para quem nenhum outro medicamento ou tratamento resultou e apenas sob indicação médica. O doente terá depois um acompanhamento ao longo de alguns meses com consultas regulares para se garantir que não há recaídas.

A operação é feita sob rigorosas medidas de segurança e apenas quando existem certezas absolutas sobre a causa da dor. O cuidado está na possibilidade que um erro de fracção de milímetro pode causar incapacidades motoras e por isso é essencial que o doente esteja consciente.

O tratamento tem como autor o anestesista holandês Menno Sluijter e é considerada como um dos maiores avanços terapêuticos da dor crónica que afecta milhares de pessoas.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]