Domótica – Uma Casa Inteligente

4662
Casa do futuro - domótica
Casa do futuro - domótica

Lar doce lar. E se além de doce fosse também inteligente?

Chega a casa e carrega num botão para acender a televisão. Mas que grande novidade, está já a pensar à medida que lê estas linhas. Mas se esperar um pouco pode ler mais. E se com outro botão pudesse gerir o consumo de energia da sua casa, alimentar os seus animais de estimação, regar o jardim e garantir-lhe segurança?

E se lhe disser ainda que estes comandos e outros podem ser feitos a partir do seu telemóvel? Espantada? A resposta para este sonho é a domótica.

Nos finais dos anos 70 foram integrados os primeiros sistemas inteligentes em edifícios electronicamente controlados através do seu computador e de sensores localizados, permitindo respostas e alterações rápidas e mais precisas das condições climáticas.

Foi esta tecnologia que fomentou o desenvolvimento da ideia de tornar os edifícios dotados de Inteligência. O conceito de inteligência parece ter aparecido nos Estados Unidos da América cerca de 1981, quando surgiram os sistemas de automação de segurança, iluminação e intrusão mostrando coordenação entre componentes do mesmo sistema.

O primeiro edifício a contar com este sistema foi o Lloyds Building, construído em Londres no inicio da década de oitenta, cujo sistema de gestão incluía avançados sistemas tecnológicos mas sem integração entre eles. A este seguiu-se a NEC Tower, no final da década, a IBM Century Tower e a mais recente Turbine Tower Bulding.

A domótica facilita a vida dos que têm pouco tempo para cuidar da casa ou querem mesmo gozar um pouco mais do tempo de descanso. As opções já existentes são várias: estores eléctricos, luzes comandadas por aparelhos remotos, câmaras exteriores ou rega automática, detectores de inundação, som centralizado em colunas e internet no quarto para manter a vigilância das suas crianças.

Mas os avanços prometidos são muitos mais em especial nos hotéis. Por exemplo, ao integrar o sistema de detecção de incêndios com o de segurança, todas as portas podem ser destrancadas de forma a fornecer o caminho mais rápido para as pessoas evacuarem o edifício e poderá ser controlado o fluxo de ar e chamas de forma a impedir a sua propagação. Outra vantagem é saber se os hóspedes estão ou não nos quartos para comunicar aos serviços de limpeza, e permitir efectuar um melhor controlo da iluminação e do consumo de energia nos quartos.

Voltando à sua casa inteligente, através do seu PC ou do telemóvel vai poder ligar o ar condicionado, abrir a porta a alguém, desligar o radiador e ainda ligar o forno para começar a cozinhar o seu jantar, controlando tudo o resto que estiver ligado à rede eléctrica. Este sistema permite garantir a segurança da sua casa, controlar o aquecimento e facilitar a vida a pessoas deficientes.

A instalação do material é simples e funciona a partir da rede eléctrica com a colocação de módulos para ligar às tomadas os aparelhos que deseja tornar mais inteligentes. Mas, se desta forma pode ter a sua vida mais facilitada, não valerá a pena gastar mais alguns euros na sua casa inteligente? É uma hipótese a ponderar.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]