Relações sem tabus, mergulhe na intimidade e deixe-se levar pelas carícias

5774
Sexo oral deixe-se de tabus
Sexo oral deixe-se de tabus

Não tenha medos nem tema discutir as relações com o seu parceiro, porque tal como outras coisas, conversar contribui para aumentar os prazeres da vida e, não só. Mergulhe na intimidade e deixe-se levar pelas carícias do sexo oral.

Sexo oral sem tabus

Antigamente, falar sobre as relações intimas do casal era um assunto tabu. Ninguém ousava falar, mas todas as pessoas o praticavam na mesma. Hoje, já não é tabu para ninguém porque de uma maneira ou de outra, toda a gente acaba por falar. Mas, o que diremos acerca do sexo oral? Será o à vontade assim também tão grande? Saibamos as razões…

A sexualidade é uma coisa complicada

Recheada de preconceitos e tabus, de prazeres e de loucuras. Todavia, as pessoas da nossa sociedade nem sempre são o mais receptível possível, quando se fala de sexo oral. Inundadas de pudor, não comentam ou limitam-se a esconder a sua opinião, acerca do assunto.

O que é um facto, é que muitos dos problemas dos casais ao nível sexual têm origem na troca de carícias. O acto sexual deve por isso, ser devidamente aguçado e estimulado a partir de carinhos e carícias mais íntimas, antecedendo o prazer do acto sexual em si mesmo. O problema reside em que, nem todas as pessoas encaram determinadas situações com a naturalidade que deviam encarar.

O sexo oral suscita inúmeros preconceitos e pudores

Originando uma relação quase de unilateralidade quando a expectativa deveria ser dupla. Por motivos de repugnância, religiosos ou morais, as pessoas acabam por ficar inibidas no momento e não praticar sexo oral. Possuem a ideia de que as carícias pelo resto do corpo são uma coisa, mas nos órgãos genitais é outra bem diferente.

Logicamente, que na nossa sociedade nem todos têm esta opinião e prática sexual. Há muitas pessoas, que adoptam uma postura face ao sexo oral perfeitamente natural. Sem qualquer pudor exploram cada centímetro do corpo através de carícias, indo além daquilo que antigamente se entendia por ser perverso e revelador de uma má educação.

Numa relação, o contacto oral é importante.

O corpo, vive de cada carícia e de cada toque que dá mística e prazer ao momento, no qual dois corpos se fundem e se tornam apenas um. O receio dos beijos ou carícias nos seios, pénis ou vagina devem ser desmistificados, porque afinal tudo é pele e tudo pode ser acariciado. Estas carícias não podem nem devem ser feitas sobre pressão, mas sim a partir do acordo e consentimento de ambas as partes. Quando as coisas surgem e acontecem naturalmente, tudo decorre da melhor forma.

No corpo não devem haver zonas interditas ao parceiro, nem limites a cumprir, pois para alguma coisa o nosso corpo possui essas zonas e essas formas. Acariciar a outra pessoa, tanto pode ser feito com as mãos, boca ou mesmo com o corpo todo, pois todas as zonas do corpo são sensíveis ao tacto e em todas elas está escondido o prazer. Porém, quando há uma rejeição destas carícias de um dos parceiros, uma probabilidade é que sucedam frustrações a nível sexual.

Existem pessoas que têm vergonha do seu corpo e, por esse motivo, evitam um contacto mais íntimo e directo por parte do parceiro. Contudo, não há ter vergonha do seu corpo ou qualquer tipo de receio, porque o que importa é que as pessoas se amem mutuamente e desfrutem ao máximo dos chamados “prazeres da carne”.

O importante é aproveitar ao máximo as carícias e o acto sexual em si mesmo. Quanto melhor for o conhecimento do corpo do parceiro, melhor será a cumplicidade e o prazer entre ambos. Não tenha medos, porque tal como outras coisas ele contribui para aumentar os prazeres da vida e, não só. Mergulhe na intimidade e deixe-se levar pelas carícias…

Classificação
A sua opinião
[Total: 6 Média: 4.3]