Como sobreviver à separação judicial

6439
Como sobreviver á separação judicial
Como sobreviver á separação judicial

Mesmo que estivesse a adivinhar ou tendo-a provocado, a separação judicial é sempre algo difícil de encarar. Tudo ao seu redor a sua casa, o seu perfume, a sua música favorita e os seus familiares recordam-lhe ligações com o seu ex-marido.

A separação pode ser algo muito parecido com a intrusão de uma enorme bola de neve mesmo no meio da sua vida, atirada com toda a força. As coisas que tinha como garantidas ontem podem já não se aplicar hoje e tudo está a mudar com uma rapidez incrível. Apesar de ainda estar intacta, muitos dos seus sonhos e planos para o futuro, assim como a rotina do seu dia-a-dia, podem de repente ficar completamente irreconhecíveis para si.

O Grau Zero é um local para princípios, mesmo que não queira nem sonhar com essa palavra. Uma vez que a sua relação acabou, está agora a embarcar numa nova viagem. Isto pode ser aterrorizador no início. Talvez gostasse mais da forma como era a sua vida antes, e sinta alguma resistência às mudanças que uma separação lhe vai trazer. Mesmo que estivesse insatisfeita com a sua relação, pelo menos não era um profundo e negro ‘nada’.

Não importa como é que se sentia antes, esta é a sua oportunidade de começar de novo, e acredite ou não, vai fazê-lo.

A primeira questão é ‘Sou a única a sentir-me assim’?

É claro que não! No entanto, os porquês e os como de uma separação podem ser opressivos. Pode parecer-lhe que é a única pessoa a quem isto acontece, que sente uma dor tão grande e que ninguém a pode compreender inteiramente. Pode sentir a pressão, da sua parte e dos outros, para partir para outra.

Mas antes de começar a movimentar-se, tem de escolher entre os fragmentos deixados pela sua relação conjugal, escolhendo o que deve manter e o que deve deixar para trás.

Identificando o que correu mal, o seu papel nisso e como gostaria de ver as coisas diferentes no futuro, vai poder garantir que este tipo de situação não se irá repetir (pelo menos nos mesmos moldes). Pode sentir-se tentada a construir tudo de novo sobre os escombros da anterior relação, porque tributar do seu passado e reconciliar-se com o presente e futuro não é tarefa fácil. Mas saltar este procedimento apenas a levará a construir a sua futura relação sobre uma fundação insegura.

A verdade é que não existe caminho seguro nem único para conseguir ultrapassar uma separação judicial. De facto, este é um dos mais difíceis aspectos de todo o processo. Não há regras básicas a seguir (e muito menos regras de etiqueta estabelecidas). Por tudo isto, é importante não ser tão rigorosa para consigo mesma nesta altura. Entenda que é normal sentir-se despreocupada num dia e afogada em raiva ou enfrentar uma depressão no dia seguinte.

Significa isto que é uma pessoa fraca?

Nem pensar: à medida que está a avaliar os seus pensamentos e sentimentos – refletindo, lendo, escrevendo ou falando sobre eles – não existe uma forma certa de sentir. Os seus sentimentos, por muito controversos e confusos que lhe pareçam, são uma parte de si.

São algo a ser aceite e a lidar como tal. Falar com as pessoas em quem confia acerca dos seus sentimentos nesta experiência pode ajudá-la a ter uma perspectiva diferente sobre as coisas e acabar mais rapidamente com este período de mudança e confusão.

O que deve esperar:

  • Raiva: Toda a gente sente raiva num momento ou noutro. É importante conhecer os seus sentimentos de raiva nestes primeiros tempos mas evitar actuar em momentos de fúria. O melhor é inscrever-se em aulas de judo ou kickboxing ou escrever cartas com tudo aquilo que tem entalado na garganta para dizer ao seu ex., mas sem intenção de lhas enviar, de forma a destilar toda essa energia. Mas talvez o mais sábio conselho acerca da raiva seja: como tudo, esta também vai desvanecer-se.
  • Ansiedade: Pode sentir-se tentada a fazer todas as formas possíveis para se reunir com o seu ex. ou tentar entrar de cabeça logo noutra relação. Pode ser assustador encarar o mundo sem o seu parceiro, mas se permitir a si mesma sentir o medo e ansiedade, vai acabar por compreender os seus sentimentos. A força e independência que acabará por sentir ao agir desta forma é mais satisfatório do que ficar com alguém apenas porque acha que não pode estar sozinha.
  • Obsessão: O processo de reconstrução envolve quase sempre um enorme dispêndio de energia para ultrapassar o passado. Muitas mulheres dão consigo mesmas a rever obsessivamente o passado e as suas relações perguntando-se questões como: Será que o meu companheiro ainda me amava durante as últimas férias? Quando é que as coisas começaram a correr mal? Deveria ter feito algo diferente?

Questionar-se acerca disto vai ajudá-la a encarar melhor o futuro, mas não pode acontecer de forma obsessiva. É bom para uma avaliação de toda a situação, mas em doses certas.

E quanto tempo é que este processo vai durar?

A única resposta a esta questão é: leva o tempo que levar. Para algumas mulheres pode significar meses, para outras anos. Tudo depende da paciência que tiver e na força que puser em acabar com a situação e no tipo de pessoa que é. Tenha paciência consigo mesma e dê tempo a si mesma para recuperar e refletir.

Aqui fica um pequeno manual de primeiros-socorros para a ajudar nestes primeiros tempo. Há medida que avança pela turbulência do grau zero, pode sentir-se como uma estranha dentro de si mesma e por isso é importante dar-se tempo para se ouvir e ver como é que estão realmente os seus sentimentos.

Tenha sempre o seguinte em mente, neste periodo após a separação judicial :

  • Não se acuse e seja gentil para consigo;
  • Não tome grandes decisões;
  • Vai perder tempo, chaves e dinheiro sem saber para onde é que vão parar, mas isto é normal;
  • Deixe-se envolver pela dor. Ao contrário do que se pensa, esta tem um fundo e quando lá chegar só pode subir de novo para cima;
  • Não há sair da dor, há passar por ela;
  • Tome banhos longos e repousantes;
  • Peça imensos abraços;
  • Vista-se confortavelmente;
  • Arranje um cão ou um gato, ou acaricie os que já tem;
  • Escreva longas, sacanas e muito raivosas cartas para o seu ex-parceiro e queime-as em seguida;
  • Ame-se a si mesma, não importa o quanto isso possa parecer difícil;
  • Arranje um conselheiro;
  • Coma sempre bem.

Agora que já tem todas as ferramentas para se livrar deste seu desespero após a separação judicial, levante a cabeça e sorria, que dias maravilhosos virão.

Classificação
A sua opinião
[Total: 2 Média: 4.5]