A bagagem do viajante José Saramago

1733
José Saramago
José Saramago

O prémio Nobel da literatura José Saramago está de novo em Portugal para lançar um novo livro e comemorar mais um aniversário.

José Saramago

Originário de uma família ligada à terra, José Saramago nasceu na aldeia da Azinhaga, a 16 de Novembro de 1922, no concelho da Golegã. Talvez em tributo à terra que o viu nascer, Saramago nunca se deixou guiar por caminhos simples ou azinhagas, tendo sempre tentado atingir as auto-estradas da vida.

E o exemplo colheria-o dos pais, que migraram para Lisboa quando este tinha apenas dois anos de idade. Foi na capital que viria a estudar mas, ironia do destino, não pode seguir os estudos após ter completado o secundário devido a dificuldades financeiras, e seguiu para o seu primeiro emprego como serralheiro mecânico, tendo exercido depois, diversas outras profissões de desenhador, funcionário de saúde e de previdência social, editor, tradutor e jornalista.

Amante das letras, publicou o seu primeiro romance em 1947 ao que se seguiu um interregno até 1966. Durante doze anos trabalhou para uma editora, onde exerceu funções de direcção literária e de produção e veio depois a colaborar como crítico literário na revista Seara Nova.

Na função de jornalista fez parte da redacção do jornal Diário de Lisboa, como comentador político em 1972 e 1973 e coordenou durante cerca de um ano o suplemento cultural. Entre Abril e Novembro de 1975 foi director-adjunto do jornal Diário de Notícias e colaborou como crítico literário na revista Seara Nova.

Pertenceu à primeira Direcção da Associação Portuguesa de Escritores e é, desde 1984, presidente da Assembleia Geral da Sociedade Portuguesa de Autores. Em 1993 transferiu a sua residência para a ilha de Lanzarote, no arquipélago de Canárias (Espanha).

A obra de Saramago reflecte os movimentos da História e as vontades e desejos humanos e a sua escrita toca o Barroco no que respeita aos pormenores e detalhes dos seus romances. Polémico, com ‘O Evangelho Segundo Jesus Cristo’, observador com ‘A Bagagem do Viajante’ ou ‘O Memorial do Convento’ e crítico em ‘A Jangada de Pedra’, a sua obra é uma constante surpresa.

A importância da sua obra tem sido reconhecida através de várias distinções, tendo o Governo português atribuído-lhe o grau de Comendador da Ordem Militar de Santiago da Espada e o governo francês o grau de Chevalier de l’Ordre des Arts et des Lettres. É também Doutor Honoris Causa pelas Universidade de Turim (Itália), Manchester (Inglaterra), Sevilha e Toledo (Espanha).

O seu romance ‘Memorial do Convento’ foi adaptado a ópera pelo compositor italiano Azio Corghi, com o título Blimunda e teve a estreia mundial no Teatro alla Scala, Milão, em Maio de 1990 e da peça ‘In Nomine Dei’ foi extraído um libreto que faria surgir a ópera Divara, estreada em Münster (Alemanha), em 31 de Outubro de 1993, com música de Azio Corghi e encenação de Dietrich Hilsdorf.

A consagração da sua carreira surgiria em 1998 com a atribuição do prémio Nóbel de literatura. A acrescentar à sua extensa e variada obra, José Saramago está presentemente em Portugal a apresentar a sua nova obra ‘A Caverna’ inspirada na alegoria da caverna do filósofo Platão. Mais um grande romance de um grande autor.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]