‘Death and the Maiden – A morte e a Donzela no Estrela Hall

721
A morte e a Donzela
A morte e a Donzela

A Morte e a Donzela é o nome traduzido da peça de Ariel Dorfman. Dirigida por Darren Scully, a peça estreia logo mais, pelas 21.30, no Estrela Hall, junto ao British Hospital, em Campo de Ourique.

A Morte e a Donzela

È um peça de cariz psicológico, onde o impacto das emoções têm uma nota dominante. Motivada por sentimentos de vingança, esta é uma peça perfeitamente adaptada à actualidade.

Decorrendo num presente muito próximo do nosso, tem por cenário um país que acabou de encontrar a liberdade, após uma longa ditadura.

‘Death and the Maiden’, de seu título original, permite que o espectador possa ir ao encontro de terríveis e desumanos actos de abuso e violência que, durante muito tempo, fizeram a história deste país aqui analisado.

O reencontro com um passado não muito distante, e a justiça das acções protagonizadas anteriormente são os pilares nos quais ‘A Morte e a Donzela’ se sustenta.

A peça pode ser descrita em traços gerais como um drama político e pessoal de muitas pessoas que fizeram parte de uma realidade ditatorial que agora, finalmente, parece ter encontrado o seu culminar. Um tema sempre actual e que vai ao encontro de muitas realidades que, ainda hoje, se vivem por esse mundo fora.

Darren Scully é o director da peça. Antigo professor de Inglês e Drama na Universidade de Liverpool, graduou-se em Inglês e Francês em 1983, tendo vindo mais tarde a ensinar e a dirigir escolas na Inglaterra, Brasil e Noruega, antes de se tornar professor no Colégio St. Julian, há três anos atrás.

Actualmente é dirigente da Associação Internacional de Escolas de Teatro (ISTA), escreveu e dirigiu peças para festivais internacionais um pouco por toda a Europa, nos últimos 10 anos.

No nosso país já dirigiu “A Tempestade”, “Sonho de uma Noite de Verão”, e “Amor Selvagem” de Sam Shepherd. Chegou agora a vez deste ‘Death and the Maiden’, de Ariel Dorfman.

Para quem não conhece o autor da peça, Ariel Dorfman nasceu em Buenos Aires, escritor e intelectual de esquerda, conhecido mundialmente por ser novelista, poeta, dramaturgo e crítico.

A sua primeira novela, “Mouros na Costa”, publicada em Inglês como “Hard Rain“, em 1990, foi publicada na altura em que pinochet subiu ao poder, o que obrigou Dorfman a ir para o exílio por um período de 10 anos.

A viver na Europa e Estados Unidos, escreveu muita fição sobre o golpe de Estado do Chile. “A Última Canção de Manuel Sendero” (1987), “A Última Valsa em Santiago” , “Outros poemas de Exílio e Desaparecimento” são alguns dos títulos de Ariel Dorfman.

A peça é interpretada pelos Lisbon Players, grupo de teatro fundado em 1947. Os Lisbon Players são indivíduos de muitas nacionalidades, com gosto pelo teatro e artes teatrais, que não recebem qualquer remuneração.

A experiência do teatro e as amizades que se criam são, para eles, suficientes e valem qualquer dinheiro.

Nos últimos anos, os Lisbon Players apresentaram peças de William Shakespeare, Tennessee Williams, Beckett, Fernando Pessoa, David Mamet, Oscar Wilde, e Steven Berkoff , entre outros, assim como produções musicais como “The Beggar’s Opera” e “Oh What a Lovely War”.

A peça que hoje estreiam ‘A Morte e a Donzela’ é levada a cena pelas 21:30 na Estrela Hall, no nº 10 da Rua da Estrela, junto ao British Hospital, em Campo de Ourique. Nos dias 17, 18, 19, 24, 25, 26 e 31 de Maio, assim como nos dois primeiros dias de Junho, não perca a interpretação do original de Ariel Dorfman, interpretado pelos Lisbon Players.

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]