O Santo António sai à rua em Lisboa nos Santos Populares

1479
O Santo António sai à Rua
O Santo António sai à Rua

O Santo António é, por excelência, o Santo Casamenteiro. Nos bailes da cidade é comum encontrarem-se novos amores, sob o forte odor das sardinhas, febras e do copo de vinho.

O Santo António

O Santo António é um dos momentos altos das festas que abrilhantam a cidade de Lisboa. Na noite da passagem do dia 12 para 13 de Junho, Lisboa sai à rua para assistir à passagem das marchas populares, dar um pé de dança, num dos muitos bailes que a cidade acolhe, e comer umas sardinhas assadas.

Inicialmente encarada como uma festa do povo, o Santo António é hoje um dos momentos em que os bairros da capital se enchem de calor humano.

Quem é o Santo António?

Nascido em Lisboa, perto da Sé da capital, no ano de 1191 ou 1195, dado que a data é ainda uma incerteza, Fernando Martins Bulhões viria a ser Frei António de Lisboa. D. Sancho I governava Portugal na época em que Fernando Martins Bulhões nasceu, numa altura em que as lutas entre cristãos e árabes eram uma constante.

Ainda muito novo ingressou na Catedral de St. Maria de Lisboa, onde teve oportunidade de estudar em diversas áreas culturais.

O Mosteiro de S. Vicente de Fora seria o local no qual se tornou num Cónego Regrante de S. Agostinho, ordem que aliava a penitência, meditação, contemplação, e a vocação pastoral dos seguidores de Cristo.

A forma como passou a dominar a Sagrada Escritura e a transmitir os seus conhecimentos aos outros foi uma das mais valias de Fernando Bulhões.

Partiu para Coimbra tempo depois, onde teve oportunidade de entrar em contacto com os Frades Franciscanos. Episódios marcantes relativos aos mártires franciscanos, que Fernando conheceu, alteraram-lhe a vida para sempre.

Assim, Fernando Bulhões passou a apresentar-se somente com a estamanha e corda franciscana. Aqui, decide mudar de nome para S. António, em homenagem a S. Antão, e decide tornar-se mártir por amor a Cristo.

Por motivos diversos, foi em Itália que iniciou uma vida eremítica em várias comunidades franciscanas. A pobreza, humildade, o jejum, oração e austeridade passaram a ser as suas palavras de ordem.

Frei António, na altura ainda não reconhecido como Santo, morreu em Arcella, em 1232. Um ano mais tarde, a Igreja reconheceu S. António e viria a canonizá-lo, sendo aclamado padroeiro de Portugal, em 1934.

Com o passar dos anos, as diversas tradições populares começaram a levar S. António ao culto do casamento. Reconhecido por ser o Santo Casamenteiro, Sto António é hoje um dos motivos para que Lisboa se transforme numa grande festa no mês de Junho.

Alfama, Mouraria, Bica, Campolide ou Alcântara são nomes de bairros já característicos nesta noite. Um manjerico, sardinhas, febras, um copo de vinho, e um pedido de casamento, são tradições enraizadas na noite de Sto António.

Nos inúmeros bairros há festa pela noite fora, canta-se, salta-se a fogueira, esquecem-se as amarguras e parte-se em busca da alegria contagiante de uma das noites mais características da cidade de Lisboa.

Já comprou o seu manjerico? Fez o seu pedido invocando Sto António? Então prepare-se, porque a noite vai ser longa, bem ‘regada’, com fartura de comida e, quem sabe, perfumada de muito amor!

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]