A mania de mudar de casa, o que deve ter em atenção

0
3796

Se antigamente as pessoas se contentavam a vida inteira com o mesmo carro ou a mesma casa, hoje as coisas não se passam assim. Mudar, é hoje o lema dos portugueses.

Habita nessa casa há muitos anos. Por incrível que pareça, você não está nada saturada dessas divisões, dos seus vizinhos e da rua onde reside há mais de 15 anos. Ainda bem, porque assim não tem que gastar mais dinheiro! Todavia, nem todas as pessoas são iguais a si neste sentido porque mudam de casa com muita facilidade.

Mudar de casa
deixou de ser uma novidade nos dias de hoje para passar a ser algo perfeitamente normal. Cada vez com mais frequência há a necessidade de ter um espaço só nosso, com um gosto personalizado, desejos, ambições, e que corresponda a todas as necessidades pessoais de conforto. Uma casa com a nossa cara!

Mudar de casa na juventude

Quando se sai da casa dos pais procura-se um apartamento pequeno, com um estilo simples, mas pormenorizado na decoração. Nessa altura, a escolha do sítio recai num local que seja perto da casa dos pais. Afinal, sempre se pode ir lá fazer umas refeições e a mãe não se vai importar se lhe pedir para lavar mais algumas peças de roupa.

Mudar para uma casa com família

Anos mais tarde, a vida já está mais organizada, a todos os níveis, especialmente no que diz respeito ao financeiro. A casa está agora a ficar pequena, estar ao pé dos pais já não importa muito porque a empregada doméstica vai lá a casa e lava a roupa. Está farta daqueles portas, armários, cores e a falta de espaço é insuportável porque já constituiu família.

Aí, a solução recai numa casa maior, com uma vista sobre a cidade, de preferência num andar elevado, e que fique numas daquelas zonas ‘tipo dormitório’ para poderem descansar um pouco à noite.

As exigências em relação às casas começam a ser maiores. Já começa a haver a preocupação com a música ambiente, o jacuzzi, a lareira, a arrecadação e a garagem do prédio. Antigamente, estas regalias todas eram apenas para pessoas de nível social elevado, mas muitas das casas dos dias de hoje já possuem aliciantes deste género, e o preço é muito inferior em relação àquele que era verificado há largos anos.

Infelizmente, ainda não suficientemente acessível a todos. Há uma maior preocupação em relação à decoração da casa, à zona em que se encontra, aos acabamentos e à disposição das divisões.

Mudar de casa com a velhice

Anos mais tarde, é natural que se farte e que queira mudar de ares, novamente. Quando a velhice bater à porta, vai preferir um sítio muito mais calmo, isolado, ou então, regressar à sua terra natal. Durante toda a vida há pessoas que mudam sistematicamente de casa, sempre em busca da mudança mas, quando a velhice surge, os amigos de infância e o local que os viu crescer costuma ser o local de eleição. Assim, viaja-se a vida inteira para voltar-se novamente ao princípio da existência.

Para os amigos e familiares que vêm a pessoa mudar de casa muitas vezes, a situação pode ser um pouco aborrecida de início, mas com os telefones, telemóveis e as facilidades de deslocação que hoje existem, essas saudades acabam quase por desaparecer. De facto, há mesmo pessoas que não aguentam mais do que uns anos numa determinada casa. Para elas, as mudanças já são feitas naturalmente, e encontrar um novo local para viver é como encarar um novo desafio.

Se tem um amigo com estas características, ou se você mesma está sempre a mudar de casa, acredite que isso acontece com muita frequência na nossa sociedade. A busca pela conquista de um novo espaço não é uma doença, mas apenas uma forma diferente de viver. Um estilo nomada e aventureiro que cativa cada vez mais os portugueses!

Nota: Claro que todas estas mudanças implicam um fator chave: dinheiro! Por isso, não comece a sonhar e a planear muda de casa antes de se certificar do montante que tem na sua conta!

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]