Realidade ou oculto? Eis a questão…

1224

Pensa-se muito e eu também, confesso, no que estará para lá dos olhos daquelas videntes ou daqueles terreiros de mãe de santo que, povoam quase todo o Brasil.

Á nossa volta existem pessoas. E existem carros. E existem seres vivos. Mas, à nossa volta existem também outras coisas. Ou será por cima de nós? Ou quem sabe, dentro de nós? O que existe para lá da nossa visão ou do nosso tacto, não parece ser mera ilusão de algum louco ou deliquente pois, se não acredita nas bruxas guarde essa opinião para si pero que las hay, hay…

Pensa-se muito e eu também, confesso, no que estará para lá dos olhos daquelas videntes ou daqueles terreiros de mãe de santo que, povoam quase todo o Brasil. Penso também se, o destino traçado existirá realmente ou se não será fruto de um qualquer deturpador que, se aproveitou da fraqueza dos pseudo-crentes para lhes extorquir dinheiro.

Aliás, pensar pensa-se muito mas o que é certo, é que por detrás de uma qualquer carta de tarot ou de um conjunto de búzios provenientes sabe-se lá de onde, estão escondidos segredos muito íntimos. E não é que adivinham mesmo? Também pode ser o mecanismo da nossa mente a querer que as coisas funcionem dessa forma, mas a certeza indubitável de que a nossa vida se lê num conjunto de cartas com enforcados, torres ou luas, está bem saliente na nossa sociedade. Pelo menos assim o dizem. Eu, limito-me a respeitar.

Depois, nem só de búzios ou cartas se alimenta o oculto. Há também os já subjamente conhecidos amuletos, as pedras da sorte, as velas do desejo e até fitinhas multicoloridas, provenientes de Salvador da Baía ou de imitações do género. Tudo para se descobrir o que o futuro nos reserva, ou melhor, para ter a certeza que um desejo nosso se realizará brevemente ou para nos proteger de maus olhados. Estranho como uma bela pedrinha, nos consegue proteger de uma quantidade de coisas para as quais não há defesa possível…

Outra das coisas da realidade ou do oculto, (ainda não percebi muito bem), são as poções capazes de concretizar verdadeiros milagres e de trazer felicidade, para vidas menos harmoniosas. Portanto, se não tem trabalho, nem um companheiro e se a sua vida está um caos, compre uma poçãozinha dessas e a sua vida resplandecerá de luz. Dizem…

E diz-se também que o preço nem é caro, o que acaba por ser contraditório pois, uma coisinha barata consegue trazer muita coisa de valor incalculável. Pelos vistos, só mesmo esta área do oculto, para dar algo grandioso sem receber quase nada em troca…

Todavia, e já que hoje estou numa de ocultismo, porque não ir a umas dessa senhoras que dizem desvendar toda a sua vida? Vá lá e leve a carteira bem recheada de verdinhas.

Umas, duas ou três devem chegar, mas pelo sim pelo não vá bem abonada porque ler as cartas exige muito a inalação do cheiro do papel do Banco de Portugal.

Um dia, por curiosidade, entrei numa das tendas que estavam num centro comercial num evento dedicado a essas coisas do misticismo, e quando lá entrei baralhei as cartas, a senhora deitou-as e eis que me disse coisas que de facto, não se concretizaram. Também era uma questão amorosa e, nestas coisas do amor, nem as videntes podem ser realmente videntes.

Certo é que, cada pergunta equivalia a um determinado valor, duas perguntas já era o dobro do dinheiro e assim por diante. Logo, imagine-se o preço que não custa uma consulta a sério e na sua totalidade, com bola de cristal e tudo.

Se a forças do mal existem, não sei. Se as coisas que as poções e os amuletos apregoam, se concretizam pela nossa compra ou pela nossa perseverança, muito sinceramente não sei. Realidade é que, esta questão fascina qualquer um e daí, esta paixão humana ter tantos interessados.

Mas será esta paixão uma realidade ou uma parte do oculto? Isto com o devido e merecido respeito que, com estas coisas não se brinca! É que com tantas feiras da magia e do oculto, astrólogos, videntes, “mães de santo”, poções, amuletos e outras coisas que tal, já nem sei se o interesse é mesmo nosso ou de alguma força do oculto…

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]