Crónica: Até que enfim, fui assaltada

1016
Cronistas da MulherPortuguesa
Cronistas da MulherPortuguesa

Confesso que já me sentia algo excluída deste sistema, só porque nunca tinha sido assaltada. Afinal, todas as pessoas que conheço e com quem falo já tinham passado por experiências do género. Algumas mais do que uma vez. E eu nada.

Fui assaltada

Receei que se tratasse de um defeito genético, o nunca estar no lugar certo à hora certa ou algo no meu aspecto que os afastava.

Olhava em meu redor, e palavra de honra que posso jurar que as pessoas notavam que eu era diferente. Fosse pela autoconfiança que demonstrava face à insegurança dos restantes, fosse pelo meu olhar, que admirava as belezas que me circundavam, sem me preocupar em olhar a redor com receio estampado no rosto, o certo é que já se notava a diferença

Pensei mesmo, em desespero de causa, começar a frequentar certos locais de alguma fama para ver se acabava com o tormento de ser diferente. Afinal a minha única experiência tinha sido o carro com a fechadura forçada, nada de preocupante e mesmo sem ida à polícia.

Até que esta semana, sim, fui assaltada. Para meu alívio e dos meus familiares que já começavam a encarar o caso como desesperado, encarando a minha situação como uma aberração, para mais uma pessoa que trabalha em Lisboa e sai à noite.

Escondiam mesmo a história de amigos e vizinhos. Afinal, como é que alguém nos dias que passam podia ainda afirmar inocentemente que nunca fora assaltada e que não sentia essa raiva e impotência que nos faz revoltar contra bandidos e maiores bandidos que são as autoridades instituídas que tudo fazem para não zelar pela nossa segurança?

Mas aconteceu finalmente. Ia sossegadamente a entrar para o autocarro, na Avenida da Liberdade, quando senti uma mão puxar o telemóvel que se encontrava numa bolsa especial que as práticas malas actuais apresentam, onde descansava da sua labuta diária.

No entanto, para meu azar e como tudo na minha vida, também esta experiência ficou inacabada. Porque o instinto ainda conta mais do que as convenções, a minha reacção foi defender-me, puxando para mim a mala e deitando olhares ferozes ao meliante.

Este afastou-se, até porque outras pessoas notaram a manobra e a tornaram impossível, acabando por sair na paragem seguinte.

Hoje já me arrependo dos olhares que lhe deitei. Quem sabe o trauma que causei no indivíduo (por acaso branco e já entrado em anos). Além disso, com este meu movimento brusco até lhe poderia ter causado algum dano físico, além de que impedi a experiência de me sentir privada dos meus bens pessoais e assim apenas posso dizer: “quase fui assaltada”, o que já é bem melhor do que o “nunca fui assaltada”.

Agora apenas me resta regressar ao mesmo local e esperar que ele volte. Ou outro. Para lhe pedir desculpa do meu “repente” e na esperança que complete o serviço.

Depois já poderei ir passar umas horas à esquadra mais próxima, apresentar queixa que sei que será arquivada e passar a fazer parte das estatísticas com que políticos de ambas as cores gostam de se brandir. E ser plena cidadã portuguesa roubada.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]