A guerra das mulheres

1694
A guerra das mulheres
A guerra das mulheres

Os homens são muito unidos, como se pertencessem ao mesmo time de futebol ou sindicato. As mulheres não possuem 10% da união dos homens. E fazem uma guerra silenciosa que travam em todos os momentos de sua vida, seja no trabalho, no grupo de amigos, na família, na escola, na discoteca.Quantas mães são as piores inimigas da própria filha? Quantas irmãs disputam a atenção e o amor do pai de maneira patológica?

Quantas sogras não aceitam as noras? Mas as batalhas entre as mulheres não são travadas só no âmbito familiar. Acontecem em muitos escritórios, nos quais elas preferem receber ordens de um homem que de uma mulher. A falsidade é a tónica do processo e, não raras vezes, uma coloca a outra em situação desagradável, boicotando ações, impedindo promoções e até mesmo providenciando algum deslize para que a concorrente seja demitida.

Essa guerra se torna verdadeiramente séria, quando a mulher sente-se ameaçada por outra mulher, no campo amoroso. É normal ouvir uma mulher acusar outra de ter roubado o marido. Normalmente as mulheres não conquistam um homem, elas disputam um homem, competem e guerreiam entre si pelo macho usando todas as armas para conquistá-lo. As mulheres casadas olham as solteiras como verdadeiros inimigos da sua felicidade.

O grupo das senhoras casadas se unem contra uma possível ameaça de perder o status que ‘possuir’ um homem lhes dá. Vivem em eterno stress para mantê-lo ao seu lado. São amigas somente de mulheres casadas, como se fizessem parte de um clube de defesa da felicidade conjugal. A beleza de uma mulher também incomoda muito. Elas normalmente fazem comentários atacando a sua inteligência, a sua moral ou seu extrato social, enfim, encontram algum motivo para denegrir aquela que é considerada bela.

Um homem quando tem uma vida sexual muito ativa, é visto pelas mulheres de forma positiva, um conquistador. Já quando a mulher tem a mesma conduta, são as mulheres as primeiras a criticá-la, a denegri-la moralmente e socialmente. É muito comum as mulheres serem extremamente complacentes com os erros masculinos e implacáveis com o mínimo erro feminino. Julgam as mulheres mais duramente que os homens.

Analisando a situação da mulher nos últimos 5 mil anos, esse sentimento de inferioridade e de competição são frutos do poder masculino. A mulher só era considerada se possuísse alguma beleza ou se era interessante para a família casá-la com alguém importante na conquista de laços de ordem política, militar ou económica. Desde então a função das mulheres é basicamente gerar filhos, dar prazer ao macho e obedecer às suas ordens, sejam eles pais, irmãos ou maridos.

A condição da mulher neste planeta é totalmente caótica, sem nexo. Ela faz parte, participa, mas não é determinante e esse sentimento de pertencer e não contar, gerou nas mulheres uma batalha entre si. E continuam a batalha entre elas, uma verdadeira guerra para ser a mais bela, a mais eficiente, a mais amada, a mais inteligente, e por incrível que pareça, a mais condizente com a sociedade na qual vive.

O sentimento de inferioridade que as mulheres sentem desde a infância, faz com que a menina canalize sua inveja e seu sentimento de castração para o seu relacionamento com as outras mulheres. Ela não pode lutar contra todos os homens, contra todo um planeta. Ela quer ser amada, aceita e não reconhece no homem o objeto de impedimento, e sim nas mulheres, que como ela buscam a aceitação e serão sempre alvo de suspeitas.

A amiga, a irmã, a nora, a colega de trabalho, a sogra, todas estão lutando pelo que ela esta lutando e isso as transformam em inimigas. As mulheres comportam-se desta forma no relacionamento com as outras por sentirem-se impotentes perante a sociedade em que vivem. Por terem sido condicionadas por milhares de anos a viverem na sombra, à disputarem entre si um pouco de atenção, um pouco de respeito e dignidade. Tentam criar uma identidade própria atacando as outras e não os homens, impedindo assim, a sua libertação deste circulo vicioso.

Ela não consegue identificar o homem como o causador de suas frustrações e limitações, mas se solidariza com o homem, já que ele lhe permite a aceitação na sociedade em que vive.

É hora das mulheres mudarem os alvos de sua agressividade e pararem de lutar contra as outras mulheres. A luta entre mulheres deve ter o seu fim decretado, para extinguir o condicionamento, a opressão e a violência que sofremos. Para que as mulheres caminhem lado a lado como aliadas. Como vitimas que todas somos deste planeta machista e violento.

Tania Rocha (Escritora) Lodi – Itália

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]