Lavinia Byrne, a mais mediática freira de sempre

1442
Lavinia Byrne
Lavinia Byrne

Defender os direitos das mulheres face à religião católica valeu-lhe a perseguição e o abandono do ensino como freira. Mas esta mulher, Lavinia Byrne, não desiste e tornou-se mesmo a mais mediática freira de sempre.

Lavinia Byrne

Desgastada com o ensino e com a forma como as mulheres são olhadas pela religião, Lavínia Byrne foi obrigada a deixar o estabelecimento de ensino onde leccionava há trinta anos e dedicar-se à luta e à defesa do acesso das mulheres ao sacerdócio e a liberalização dos métodos contraceptivos.

Nascida a 10 de Março de 1947 em Birgmingham, foi com a idade de 17 anos que se decidiu por uma vida dedicada a Deus, quando entrou para o Instituto da Virgem Maria Bendita em Londres em 1964, onde se diplomou em Teologia e Ciências da Educação.

A sua vertente de comunicadora levou-a a completar o curso de comunicação social e a dar voz a diversos programas de rádio e de televisão acerca da fé religiosa ao mesmo tempo que o seu gosto pelas novas tecnologias lhe proporcionaram a função de conselheira da Conferência Episcopal para as questões da Internet.

Entre 1971 e 1985 foi professora de línguas modernas no Colégio de Santa Maria e até 1997 leccionava em Westcott House, lugar que viria a deixar após a edição do seu livro ‘A mulher no altar’.

Este livro, um dos muitos já publicados pela autora, viria a irritar profundamente o cardeal Ratzinger, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, que a obrigou a retirar o livro de circulação e a fazer silêncio sobre os temas que defendia na obra: o sacerdócio feminino e a contracepção.

Recentemente em Portugal a convite do Centro de Reflexão Cristã e do Movimento Nós Somos a Igreja, Lavínia Byrne, fora do convento, continua a defender a posição da mulher na religião e alertar para a forma como esta é tratada e as humilhações a que está sujeita neste debelar de um novo milénio.

Se deseja conhecer um pouco mais desta ex-freira que sacrificou o seu desejo de servir Deus pela defesa da liberdade religiosa das mulheres não deixe de visitar a página criada por ela onde pode conhecer até os gostos pessoais, como a Internet e a cozinha.

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]