Guerra aos Papéis

1780

Entra-se numa casa normal, banal, igual a tantas outras e, o que se vê de imediato? Papéis e mais papéis.

Acomodam-se estáticamente na mesa da sala, na secretária, na sua mesinha de cabeceira, no balcão da cozinha e, com um bocadinho de azar, ainda encontramos alguns espalhados livremente pelo chão do seu lar: são os cadernos do seu filho, porque ainda não fez os trabalhos da escola, as inúmeras contas para pagar, que teimam em marcar a sua presença, as últimas cartas da sua irmã, as revistas e os jornais dos dias anteriores. A solução é libertar-se desta montanha de papéis…

A situação parece estar descontrolada. Olhamos à volta e nem sabemos muito bem por onde devemos começar, esta “guerra papelada” que invadiu o nosso doce lar. A verdadeira e prática solução é, encontrar uma saída organizativa, para reunir todos os papéis que se aglomeram na sua casa, de forma a que possa geri-los convenientemente. Ficar sentada a olhar para eles, desesperadamente, não lhe trará quaisquer benefícios. O importante é adoptar uma postura positiva, face à imensidão de papéis que decoram as divisões da sua casa.

Comece por ter a noção daquilo que é, ou não é, realmente importante. Se tiver uma boa dose de paciência, coloque-os todos numa caixa, e depois verifique, um a um, a categoria em que se inscrevem: se são contas para pagar ou apenas jornais do mês passado. Arrume tudo cuidadosamente, consoante a sua categoria e o seu grau de importância. Esta, não é porém, a única solução existente. Existem pessoas que poderão utilizar, dependendo do seu estilo de vida, da sua permanência em casa ou até mesmo de outras vertentes, outro método de organização. O caminho encontrado para vencer a guerra com os papéis, dependende de cada um. Em todo o lado, vivem pessoas que só se sentem bem no meio da desorganização. Há mesmo quem se auto-intitule de ser, “desarrumadamente organizado”. Estranho, mas isto é totalmente real e verídico.

Os papéis crescem, desenvolvem-se, tomam proporções cada vez maiores e você não sabe o que fazer. Nessa altura pensa assim: “Neste fim-de-semana vou arrumar tudo. Sem falta!” ou então, ” Quando os meus pais me vieram visitar, é que eu arrumo esta confusão”. O grave problema no meio disto tudo, é que o fim-de-semana é prolongado e você não pode perder a oportunidade de ir até ao Algarve, visitar aquela velha amiga de universidade, que há tanto tempo a chateia. Se fôr mais do género de arrumar a papelada quando os seus pais a forem visitar, então ainda tem que esperar muito tempo, pois a terra dos seus pais é bem longe e eles só virão nas férias, que são daqui a 5 meses.

Aprenda a dividir correctamente a papelada, por secções e coloque tudo num sítio próprio e único. Isto para depois não pensar assim:”Aquela carta de trabalho está ali, mas e a seguinte? Estará junto com as cartas mais recentes?”

A organização só depende de si próprio e, da forma como lida com as suas coisas pessoais. Ainda assim, saiba que os papéis podem ser divididos da seguinte forma: assuntos resolvidos, papéis dispensáveis, coisas pendentes, possíveis contactos, papéis urgentes e, cartas ou papéis a serem devidamente analisados.

Ainda existem aqueles que deitam os papéis todos fora e os outros, os que nem um bilhete de teatro deitam para o lixo, devido ao seu valor sentimental. Aos primeiros, “cuidado”, porque existem papéis fundamentais para a nossa vida futura e, aos segundos, um segundo “cuidado”, pois aí, a guerra será muito mais duradoura. Contudo, é preciso ter em conta que as novas tecnologias, produzem uma excelente alternativa para se livrar desse papelinhos multicolores e, cheios de letras, que invadem silenciosamente a sua casa. Se não fôr muito adepto dos tempos modernos, pode sempre colocar muita dessa papelada ou, mesmo toda, num cofre. Aí, poderá guardar desde contratos importantes, a seguros, inventários, documentos militares, passaportes, entre outros. Pelo menos, os papéis estarão seguros e bem longe da sua vista.

Se a sua casa está apinhada de papéis, por tudo quanto é sítio, pense bem no que acabou de ler. A guerra dos papéis pode ser muito breve, extensa ou levar mesmo uma vida inteira. Acautele-se e, não deixe que simples folhas de papel transformem a sua vida num caos. Siga o velho ditado: “Não deixe para amanhã o que pode fazer hoje”, ainda que, o amanhã se resuma a uma aparentemente inofensiva pilha de papéis.

A casa já está organizada e a guerra dos papéis, devidamente vencida. A harmonia, regressou novamente ao seu doce lar.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]