Inicio Pessoas As nossas crónicas Um país de cócoras que detesta os espanhóis

Um país de cócoras que detesta os espanhóis

Cronistas da MulherPortuguesa
Cronistas da MulherPortuguesa

Detesto os espanhóis. Lamento mas é verdade. De facto, não é bem verdade, porque os espanhóis nem existem.

Admiro os catalães, adoro os galegos, tão iguais a nós em tudo: arquitectura, gastronomia, língua, maneira de ser (por isso são os mais apagados de todos …), nutro simpatia pelos bascos como povo que não desiste de lutar (embora possa discordar dos métodos) e que deve ter nos genes a outra costela do Afonso Henriques, por isso, espanhóis… quem são?

Um país que detesta os espanhóis

Claro que a hegemonia que os castelhanos sempre procuraram, utilizando a denominação dos romanos de península hispânica, consolidou-se ao assenhorearam-se da palavra. Têm-na vendido bem, principalmente desde o século XV. Mas nunca se mostraram tão pujantes como agora. Para eles a União Europeia foi um bom presente. Souberam tirar bom partido dela.

Nada e criada no cantinho portucalense, orgulhosa de que ainda me corra nas veias alguns resquícios do grande Afonso Henriques, conterrânea da Maria da Fonte, como posso entender, aceitar e pactuar com um grupo de indivíduos, que, por acaso, estão ao leme de Portugal, mas que a história e o decorrer do tempo fará cair no esquecimento, e que estão a destruir 8 séculos de orgulhosa independência!!!

De facto, eles nem têm culpa. Nasceram e foram criados numa geração cheia de ideais que agora são completamente obsoletos e oscilam entre dois pólos tal como se estivessem numa plataforma olhando tontamente ora para o vaivém espacial ora para o comboio a vapor, sem saber qual escolher. Isto é, pretendem a todo o custo apanhar o comboio rápido da União Europeia que exige uma mentalidade capitalista quase desumana, mas estão ainda amarrados a utopias de transformação gradual de mentalidades e de solidariedade. Será que não encontram o meio termo?

Agravando o facto da sua educação ter decorrido num sistema que os transformou em cobaias sucessivas de experiências, sem qualquer objectivo que não fosse o de tirar um curso e ter padrinhos para alcançar os tais “jobs”. Os castelhanos não fizeram nada disso.

Mudaram de sistema tal como nós e, durante o mesmo quarto de século apresentaram apenas 3 rostos: Franco, Gonzalez e Aznar. Suarez foi uma mera passagem semelhante ao nosso Marcelo Caetano. Por cá, apenas ficou um rosto: Salazar. Os outros? Mário Soares não deixou marcas no governo, embora tivesse sido um bom presidente. Cavaco lutou mas cometeu muitos erros, inerentes à sua própria personalidade.

O que parece é que em Madrid houve sempre um objectivo: desenvolver o país, independentemente da cor politica. Com o país em 1º lugar sempre o colocaram acima das directivas europeias fazendo ouvidos moucos quando não lhe eram benéficas.

Por cá, já toda a gente sabe o que aconteceu. Guerilhas políticas, mas principalmente um desatino na educação das sucessivas gerações. O resultado vê-se. E teima em continuar.

Enquanto no país vizinho se decreta com vista à supremacia e mais desenvolvimento, por cá os políticos deleitam-se a auto-destruir-se. A razão principal desta situação é que não temos líderes fortes e convincentes. Madrid não hesita em expulsar os imigrantes, no entanto tem milhares de desempregados. O salário mínimo será quase 3 vezes superior ao nosso e provavelmente o subsidio de desemprego dá para viver melhor do que nós com o ordenado mínimo.

Nós, magnânimos, acolhemos todos os imigrantes. Tudo bem. Mas e os cidadãos portugueses, que são explorados até ao tutano e obrigados a viverem em condições miseráveis, quem os defende?

Somos um país estranho. E naturalmente há que aproveitar o desnorte, devem pensar os castelhanos. Dominam na área económica, o que hoje em dia significa também igual poder político, dominam grande parte dos nossos recursos vitais.

. pub .

É urgente não escamotear a situação. È urgente repensarmos o nosso futuro. É fundamental alterarmos a nossa mentalidade de pequenez, de “coitadinhos”. Há que investir nas novas gerações. É preciso trabalharmos para e com os nossos alunos mais capazes. É urgente obrigar o Governo e o Ministério da Educação a legislar e a formar os docentes na área da sobredotação. Temos recursos humanos de grande valor.

Recorramos a eles, caramba!! É uma questão de sobrevivência nacional!!! Será difícil de compreender pelos nossos políticos? Serão assim tão não-dotados? Todos???!! Aprendam, neste aspecto, com a política espanhola nesta área, que começou há meia dúzia de anos (e nós há 15) e já vão realizar a Conferência Mundial de Sobredotação, em Agosto próximo em Barcelona. Com todo o apoio do Governo!!! Com os olhos no futuro. Sem complexos nem preconceitos!!!!

Manuela Freitas
Lisboa / Mealhada
Telemóvel: 96 60 88 321

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]
Exit mobile version