Inicio Pessoas As nossas crónicas O Mundo na nossa casa com a televisão digital interactiva

O Mundo na nossa casa com a televisão digital interactiva

Cronistas da MulherPortuguesa
Cronistas da MulherPortuguesa

A televisão digital interactiva está aí! Lançada no dia 7 deste mês, este é um outro modo de ver o mundo que promete revolucionar o país. Mais um contributo para o isolamento social?

Televisão digital interactiva

Fico estupefacta com as coisas que inventam: Televisão digital interactiva!?! Conhece? Bem, provavelmente se viver numa cidade minimamente informada saberá daquilo que estamos a falar, mas as pessoas que vivem numa daquelas zonas mais para o interior do país certamente que não perceberão patavina do que é isso de ‘televisão digital interactiva’.

Com alguma ironia e pouco conhecimento, ainda pensarão que é alguma nova marca de um produto qualquer ou, quiçá, uma nova doença dos animais. A outra era a das ‘loucas’ e esta a dos ‘digitais’!

Nada disto faz sentido se toda a população não estiver a par das inovações tecnológicas, e compreendê-las, para conseguir utilizá-las devidamente.

O preço é de 1500 escudos para a assinatura mensal, 30 mil escudos de jóia de adesão (Ufff! Que grande jóia!), e mais 1500 mensais de aluguer pelo aparelho ‘Set Top Box’. (o aparelho do quê?) Eu explico! ‘Set Top Box’ é o aparelho que permite aceder ao serviço da televisão digital interactiva.

Posteriormente, e quando o aparelho que processa o acesso aos outros canais for comercializado em Setembro, com dois modelos diferences de ‘Set Top Box’, é mais que certo que estes valores vão ser diferentes!

Há ainda a destacar que existe um comando e um teclado sem fio (isso mesmo, sem fios!), a juntar à Set Top Box! Porém, os números estão ainda no segredo dos deuses!

A informação vai estar toda ela aos seus pés, ou melhor, aos seus olhos! É você que escolhe a informação que quer, na altura que muito bem entender. Além do mais, convém salientar que poderá ter mais do que um écran em aberto, possibilitando assim ao espectador observar mais do que um único desfilar de imagens. Você escolhe! Aqui quem manda é você!

Claro que isso só acontece depois de ter metido os cordões à bolsa, mas lá que você ordena, ordena! Tem ainda ao seu dispor módulos de videoconferência, correio electrónico e de diálogo escrito, os populares chats, optimizando ainda uma comunicação bidireccional.

Notícias escolhidas por si, captação de postos de rádio que no seu aparelho radiofónico não consegue captar, telediário interactivo, escolher qual o ângulo que pretende daquilo que está a ver (por exemplo em jogos de futebol, onde existem muitas câmaras), explicações complementares, e cruzar textos, sons, e imagens, simultânea e interactivamente, são algumas das mais valias da televisão digital interactiva.

Satisfeitos com tantos atractivos? Pois, mas a verdade é que esta já foi considerada por muitos como sendo uma tecnologia de luxo, talvez de uma elite, tendo em conta que há ainda uma grande parte de população portuguesa totalmente alheia a este género de vagas tecnológicas que vão irrompendo sem permissão, e que nem todos podem disponibilizar esses valores monetários.

O facto dos clientes poderem consultar o Guia TV, onde estarão disponíveis todos os programas e informações complementares sobre os mesmos, o serviço ‘Mordomo’, no qual se pode encomendar uma simples pizza ou um electricista, o menu ‘Compras’, através do qual pode comprar o que bem entender, ou ainda a ‘Banca’, permitindo realizar todo o genero de operações bancárias, são todos eles privilégios que custam dinheiro, e que não estão disponíveis aos bolsos de qualquer um.

A maioria dos portugueses é completamente leiga em questões das novas tecnologias. Julga que toda a gente sabe o que é o comércio electrónico ou que todos já navegam frequentemente na Internet?

A ideia desta novidade é exactamente que as pessoas apurem o seu gosto pelas novas tecnologias, mas na minha modesta opinião estão a correr um risco muito grande.

Os portugueses estão mais virados para coisas mais térreas do que propriamente para a virtualidade da nossa realidade. Se muitos deles não se interessam pelas novas tecnologias, já em voga há algum tempo, como vão entender e adoçar a sua curiosidade por algo que implica um gosto e conhecimento anterior?

De facto há que aplaudir esta iniciativa, nem que seja pelo facto de sermos os primeiros em alguma coisa, mas também há que ter em conta as despesas que o serviço implica. Nem todos podem disponibilizar por mês as quantias que referimos anteriormente, até porque a maioria das pessoas chega a casa à noite e, muitos deles, estão-se nas tintas se são eles ou não que criam a sua própria imagem televisiva ou aquilo que querem ver.

Apenas querem ver qualquer coisa que as distraia, que as faça esquecer os seus problemas, e pouco mais! Tudo o resto são factos dispensáveis para muitos. Eles agradecem a preocupação, mas dispensam os serviços!

. pub .

E, assim, sempre se poupa mais algum dinheiro para a prestação do carro! Já imaginou uma pessoa que toda a vida trabalhou na construção civil, sem ter acesso sequer a um computador, a deparar-se com a notícia desta nova forma de assistir televisão?

E um pastor, que a vida inteira tomou conta de um rebanho, perdido por entre os montes, e que apenas uma vez mexeu num simples telemóvel?

Lógico, que a estas pessoas a televisão digital interactiva não faz absolutamente falta nenhuma! E, mesmo as pessoas que residem nos grandes centros urbanos, nem todas vão ter a possibilidade de encomendar estes serviços!

Repare-se que as novas tecnologias conferem cada vez mais aos portugueses uma nova atitude perante a vida: a passividade. Não é preciso quase sair de casa para ter aquilo que se deseja.

Sem qualquer esforço encomenda-se uma pizza, compra-se mais qualquer coisinha para agradar ao namorado, reserva-se um bilhete de espectáculo, vê-se às quantas anda a nossa conta bancária, assiste-se a um programa de televisão, onde você decide a forma como o quer ver, consulta-se o e-mail, fica-se a saber mais sobre o jogador x, e ainda se pode repetir as vezes que se quiser aquele penalty que o seu irmão diz não ter sido!

Um mundo às suas ordens a partir de uma simples caixa de televisão! Tudo isto sem ter que sair de casa, só você a máquina, e ainda desfruta da possibilidade comunicar com outras pessoas nos chats! Assim, onde fica o calor humano? A natureza? O contacto com as pessoas?

Se a Internet estava a ser ‘acusada’ de ser o motivo para o isolamento das pessoas, e a ausência de contacto humano em prol da máquina, encerrando quase por completo o ciclo da sociabilidade tradicional, espera-se agora que esta nova forma de comunicação interactiva, que sem dúvida tem o seu mérito, não venha a ser mais um dos factores que contribui para a solidão humana.

Sentir, ver, tocar, é importante! Uma máquina pode-nos oferecer tudo, mas há sensações humanas, do nosso quotidiano, que uma televisão ou computador jamais poderão oferecer!

Cronista da Mulher Portuguesa: Ana Amante

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]
Exit mobile version