Inicio Família Gravidez Avaliação da ingestão alimentar em grávidas portuguesas

Avaliação da ingestão alimentar em grávidas portuguesas

Mulher grávida
Mulher grávida

No âmbito de um projecto conduzido pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, avaliou-se a ingestão alimentar em mulheres grávidas.

Este projecto, designado de Geração XXI, pretende avaliar o impacto do ambiente in útero na saúde das crianças, nomeadamente da alimentação materna.

Quatrocentas e trinta mulheres no 1º trimestre de gravidez permitiram o seu acompanhamento até ao parto, permitindo conhecer a sua alimentação antes e durante a gravidez.

Alterações no Consumo Alimentar Durante a Gravidez

Durante a gravidez, observou-se que o consumo de produtos lácteos quase que duplicou em relação ao ano prévio. A ingestão de gorduras, pão, fruta e sopa também aumentou, no entanto a ingestão de ovos, carnes vermelhas, arroz, massas e batatas, alimentos fast food, bebidas alcoólicas, café e chá diminuíram.

Aumento no Consumo de Laticínios e Outros Alimentos

A percentagem de mulheres que consumiam bebidas alcoólicas decresceu de 36% antes da gravidez para 13% durante a gravidez, ocorrendo também diminuição das quantidades ingeridas. Quase todas as mulheres consumiam cafeína antes e durante a gravidez, mas observou-se uma diminuição da quantidade (65mg para 34mg).

Avaliou-se a adequação em nutrientes em relação às recomendações existentes. 1 em cada 5 mulheres consumia menos hidratos de carbono e 13% das mulheres consumiam mais gordura do que o recomendado.

. pub .

Deficiências Nutricionais: Ácido Fólico e Ferro

Antes da gravidez, 58% das mulheres ingeriam, através da alimentação, menos ácido fólico do que é recomendado, ascendendo aos 91% durante a gravidez. No caso do ferro, 88% das mulheres não conseguiu suprir as suas necessidades durante a gravidez. Estes resultados justificam a necessidade de suplementação.

Importância da Suplementação de Ácido Fólico e Ferro

A suplementação em ácido fólico deve iniciar-se antes da gravidez, situação que ocorreu em 19% das mulheres. Apesar de 96% ter tomado ácido fólico no 1º trimestre, o início da toma ocorreu em média pelas 6 semanas, o que ultrapassa o 1º mês em que a eficácia da suplementação está comprovada.

Estes resultados já tinham sido divulgados em revistas e congressos científicos, mas o reconhecimento feito pelos Nutrition Awards deu-lhes uma visibilidade nacional.

Artigo publicado em 2016

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]
Exit mobile version