Bullying: o que fazer?

/ 378
Bullying: o que fazer?

O bullying é um comportamento que se caracteriza pela ameaça ou agressão (psicológica ou verbal) de forma intencional e repetida e que ocorre sem motivação evidente.

Este comportamento é praticado por um sujeito (designado de bully – valentão) ou por um grupo de sujeitos, com o objectivo de intimidar ou agredir outro sujeito ou grupo de sujeitos. É perpetuado por crianças ou jovens que têm, por qualquer motivo, mais força e poder que a vítima.

A escola é um dos lugares onde o bullying é praticado com frequência, uma vez que neste espaço convivem diariamente crianças e/ou adolescentes. Pode ocorrer dentro ou fora da escola, em zonas onde a supervisão adulta é mínima ou inexistente e não está restrito a nenhum tipo específico de instituição: primária ou secundária, pública ou privada, rural ou urbana.

O bullying é um problema grave que acontece todos os dias, um pouco por todo o mundo, e que pode levar a vítima à depressão, à perda de auto-estima e, em último caso, ao suicídio conhecido por “bullycide”.

Caracterização do bullying

O bullying divide-se em duas categorias:

  • Bullying directo – é a forma mais comum entre os agressores (bullies) masculinos;
  • Bullying indirecto – conhecido como agressão social, é a forma mais comum em bullies do sexo feminino e crianças pequenas, caracterizada por forçar a vítima ao isolamento social.

    Este isolamento é obtido através de várias técnicas (espalhar comentários; intimidar outros que desejam relacionar-se com a vítima; criticar o seu modo de vestir, a sua etnia ou religião, incapacidades…).

Existem 5 tipos de actores co-implicados no bullying:

  1. Agressor – pretende obter força, poder e domínio; ter fama e popularidade na escola amedrontando os outros;
  2. Vítima;
  3. Defenders – alunos que defendem as vítimas e são contra o bullying;
  4. Bystanders – alunos que presenciam a situação e reforçam positivamente a acção do agressor;
  5. Outsiders – alunos que não se manifestam nem de forma positiva nem de forma negativa perante o bullying.

A potencial vítima pode ser uma criança ou um jovem que apresente determinada característica que a torne um alvo fácil, como por exemplo, ser mais gorda/magra, gaguejar, usar óculos… Os pais e educadores devem estar atentos a possíveis sinais (fobia à escola, baixo rendimento, depressão, baixa auto-estima, etc.) que possam surgir por parte dos filhos ou alunos. O bullying não deve ser confundido com as brincadeiras que normalmente acontecem na infância e adolescência.

Técnicas de bullying

  • Os bullies combinam a intimidação e a humilhação para atormentar os outros. Por exemplo:
  • Roubar e/ou danificar objectos pessoais de uma pessoa, como livros ou material escolar, roupas… Espalhar rumores e comentários negativos sobre a vítima (trocar e passar mensagens ou bilhetes falando mal da pessoa em causa);
  • Fazer com que a vítima faça o que ela não quer, ameaçando-a;
  • Fazer comentários negativos sobre a família da pessoa, sobre a sua aparência pessoal, orientação sexual, religião, raça, nível de vida, nacionalidade…
  • Levar a vítima ao isolamento social;
  • Praticar o cyberbullying (criar páginas falsas sobre a vítima em variados sites);
  • Fazer chantagem;
  • Utilizar expressões ameaçadoras;
  • Chamar nomes aos colegas;
  • Agredir física e/ou verbalmente colegas, de forma sistemática e prolongada no tempo;
  • “Fazer chacota” (cochichar) continuamente sobre a vítima;
  • Tirar bens aos colegas (dinheiro, objectos pessoais…).

Efeitos do bullying

Quando praticado de forma persistente pode ter um ou vários efeitos no sujeito e/ou no ambiente onde ocorre.

Efeitos sobre o sujeito:

  • Ansiedade Sensibilidade a determinadas brincadeiras
  • Perda de auto-estima
  • Tristeza e irritação
  • Medo de expressar emoções
  • Problemas de relacionamento
  • Abuso de drogas e álcool
  • Auto-mutilação e mesmo suicídio (bullycídio)

Efeitos no ambiente escolar:

  • Níveis elevados de abstinência escolar
  • Alta rotatividade do quadro de pessoal
  • Desrespeito pelos professores
  • Número de faltas elevado
  • Porte de arma por parte de crianças com o objectivo de se protegerem

Quais são as consequências do Bullying sobre o ambiente escolar?

Quando não existe uma intervenção efectiva contra o bullying, o ambiente escolar torna-se problemático. Todos os intervenientes no espaço escolar são (sem excepção) afectados de forma negativa, passando a experimentar sentimentos de ansiedade e medo que poderão desencadear outros ainda mais graves para a sociedade, como o abandono escolar, doenças psicossociais…

Para a eliminação da violência na escola, devem ser criadas e tomadas as medidas necessárias por parte das entidades responsáveis. Quando são bem aplicadas e é envolvida toda a comunidade escolar, contribuem para o convívio saudável e equilibrado, ou seja, para a formação de uma cultura de não-violência na escola, e de uma forma mais geral, na sociedade.

in http://juventude.gov.pt

Google+FacebookTwitterPinterestTumblrPartilhar

ARTIGOS RELACIONADOS