O Nascimento do doce açúcar

0
529

Os chineses foram os pioneiros na extracção do açúcar, mas a verdade é que desde esses tempos, há milhares de anos, que o açúcar tem assumido um papel importante ao nível da alimentação.

O açúcar é um bem essencial a todos!

Tal como acontece com a maioria dos alimentos, também o açúcar não deve ser consumido em quantidades excessivas para não prejudicar a saúde de qualquer ser humano. Os doces são tentadores, mas há que saber dosear as coisas e pensar bem nas consequências, ainda antes de se cair em tentação. Por isso, esse produto, trazido há mais de 20 séculos para a Europa, obriga a amplas precauções no seu consumo.

Alexandre Magno, e os seus exércitos, trouxeram para a Europa o famoso açúcar, após terem conquistado o território da Índia. Da Palestina chegaria também, um pouco depois, a cana de açúcar, que em solos europeus não se adaptaria muito bem devido às condições climatéricas. Pelas dificuldades encontradas na sua plantação, o açúcar apenas chegava até à Europa pela rotas comerciais, exportado, obrigando assim a enormes gastos para a sua obtenção.

Desta forma, o açúcar era um bem de luxo, cujo principal detentor era o Oriente, e a cidade de Veneza, local de onde partiam os comerciantes e negociadores que o traziam para a Europa. Por esse motivo, Veneza passou a ser o principal centro europeu do açúcar, construindo-se aí os primeiros estabelecimentos para a venda do mesmo. Todavia, em inícios do século XV, a plantação da cana seria implementada na Madeira, alterando por completo o panorama anterior. Portugal passou a vender para todos os grandes centros europeus.

Dobrar o Cabo da Boa Esperança e a descoberta do caminho marítimo para a Índia, por Vasco da Gama, passariam a constituir mais valias para os portugueses que passaram a tornar-se o principal centro de negócios e venda de açúcar. O Brasil viria a ser, mais tarde, um dos locais onde se aglomeravam as maiores plantações de açúcar do mundo. Por todo o lado, o açúcar começou a ser um produto cada vez mais desejado, fruto de grandes negócios e rotas comerciais.

Tempos depois, e para além do comércio do açúcar de cana, surgiam também os mercados do açúcar de beterraba. A I Guerra Mundial originou a destruição de muitas plantações, refinarias, e a mão de obra parecia escassear mais do que nunca. A verdade é que tempo depois registou-se um novo desenvolvimento em ambas as produções, açúcar de cana e açúcar de beterraba, levando a que no ano de 1937, perante tamanha expansão e comércio, fosse criado o Conselho Internacional de Açúcar. Em 1968, a Comunidade Europeia será a principal produtora mundial de açúcar de beterraba, situação que se mantém até aos nossos dias

Actualmente, um pouco por todo o mundo, existem muitas pessoas a assegurar a plantação e extracção do açúcar. A Índia, o Brasil, ou até Cuba, são, neste momento, as grandes indústrias do açúcar de cana, situação que é possível não só pelo investimento nesta matéria, como também devido às condições do solo e clima. Em Portugal, produzimos açúcar de cana proveniente de regiões como Caraíbas, Costa do Marfim, Brasil, Zimbabué, etc. Porém, o açúcar que consumimos por cá, com maior frequência, é a sacarose, proveniente da cana de açúcar e da beterraba.

Um pouco por todo o mundo é cultivada a cana do açúcar, embora a mesma só possa ser realizada com sucesso em zonas de clima tropical. Após ter sido efectuada a plantação, a colheita realizar-se-á apenas de 11 a 18 meses depois, estando o início da colheita marcado para quando o tempo começar a ficar seco e até à fase em que se observam as primeiras chuvas.

Utilizado em diversas situações que dizem respeito ao campo da gastronomia, o açúcar é hoje em dia um bem essencial à mesa de qualquer ser humano. Convém é ter muito cuidado com os excessos, e não se deixar levar pelas tentações adocicadas da nossa culinária. Fique-se pelos olhos, pois eles também comem! Pronto, hoje deixamo-la comer um doce, daqueles bem apetitosos. Mas, daqui para a frente nada de excessos, e só mesmo em situações especiais é que pode cair em tentação!

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]
Partilhar